Os apóstolos e outros poemas

Kaethe Butcher

Não sou eu, é meu eu lírico.

Inner pain

My bleeding vagina quickens
for something other than blood
It hurts for expurgating all these
plaques that haven’t got to be a home
But also for not receiving something
that is most welcome
My vagina craves for two fingers
in and out of it
But not mine.
Someone else’s fingers
Making circular movements right at
the entrance of it
A tongue.
My vagina aches by the thought of
a tongue running through its surface
Something so powerful that would extirpate
all of the pain that’s ever come out of it
My thick, transparent liquid would inundate that mouth
And it would be pleased. Even thankful
But most of all, my bleeding vagina
wants to be pounded by a hard piece of meat
So tough and rough
It would amenize my inner pain
And provoke another type of pain
A welcome one

deus, a falta de sexo

o seu pau foi o único
que senti vontade de chupar
não gosto de fazer boquete
mas em você eu quis fazê-lo

não é culpa da tpm
isso tem mais de uma semana
mas a tpm veio com tudo
e minha boceta, encharcada, clama por ser invadida por você

"Deus, falta ou excesso"
deus, a falta de sexo
vejo sexo em tudo

o seu cheiro me deixa molhada
mas o que mais me excita
é a atenção que me dispensa

me acha sexy com um cigarro
entre os lábios pintados de vermelho?
fumaça turvando os olhos pintados de preto?

assumo que é padrão:
só uso batom vermelho às sextas-feiras
e você sabe porquê

gosta quando deito no seu ombro
e meu seio encosta no teu braço?
pois eu gosto

gosta quando nossas pernas se encontram?
gosta quando eu toco sua coxa?
gosta de me ouvir murmurar enquanto durmo?

minha vontade é
sentar no seu colo
e sentir o seu pau me rasgar

quero que você chupe meu seio esquerdo até eu gozar
e quero sentir a sua porra
inundando minhas entranhas

mas só depois que eu te fazer um boquete

Orgasmo ruim

Você prefere um orgasmo ruim
Ou orgasmo nenhum?
Prefiro orgasmo nenhum
À frustração de um orgasmo ruim
Não quero tê-la

Um orgasmo ruim, sozinha
Enquanto penso em você
Chupando a minha boceta
É insatisfatório
Devastador, até

No futuro
Vou lembrar
Que é melhor ter orgasmo nenhum
Do que ter um orgasmo ruim
Pensando em você

Os apóstolos

À noite,
Minha avó murmura orações
Eu murmuro poemas eróticos

Para testar-lhes a sonoridade
Se os versos combinam entre si
Se preciso trocar palavra ou outra

São poemas que nunca serão publicados
Poemas para Fulano, Sicrano e Beltrano
Um não é pra ninguém em especial

É pra mim mesma
E pra minha boceta
E nossas necessidades

Desejo que elas sejam satisfeitas
Por Fulano, Sicrano ou Beltrano
Tanto faz

Trepar com você

Trepar com você
Cavalgar-lhe
Cuspir no fundo
da sua garganta
Morder-lhe o lábio
Arrancar-lhe sangue
Sugar-lhe o sangue

Trepar com você
Chupar-lhe o pescoço
Deixá-lo marcado
Dentar-lhe a clavícula
Apertar-lhe o seio
Lamber-lhe o seio
Esporrar-lhe as entranhas

Trepar com você
é sempre um prazer
Até mais ver

--

--

--

Leitora e escrevedora de transporte público. (Instagram: @santosacarolina)

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Ana Carolina Santos

Ana Carolina Santos

Leitora e escrevedora de transporte público. (Instagram: @santosacarolina)

More from Medium

My entry for the HOAP

Tidbits about my wanderings through Italy, one region at a time— Piedmont

30 years of Twisted light — A Blog

Evedo Bites #35